REGRAS PARA SE FAZER O POEMA VARANO

sábado, 29 de janeiro de 2011

Meretriz

Nos braços da noite
Te encontro serena
Vagando na rua
Que não vale a pena

Nos braços da noite
Te encontro deitada
Tal qual Madalena
Sonhando acordada

Nos braços da noite
Sem véu, sem  grinalda
Não és Margarida
Não és Esmeralda

Rasgaram teu corpo
Roubaram-te a calma
Tragaram-te a vida
Tragaram-te a alma

Nos braços da noite
Puseram-te nua
Sem direito a nada
Jogada na rua

Nos braços da noite
Tua cama é a calçada
Vestígios de açoite
Te encontro acabada

Nos braços da noite
Eras só uma puta
Te deram o açoite
Morreste na luta

Não serás memória
Eras “a maldade”
De uma vida inglória...
Desumanidade!...

...................................
Morreste na dança
Como meretriz
Sem ter esperança...
Sem sonho... Infeliz...