REGRAS PARA SE FAZER O POEMA VARANO

sábado, 30 de abril de 2011

Rancor e Mágoa

O rancor e a mágoa
Vão toldando o tesouro
Transformando em resquício
Diante de um precipício
Sentimentos de ouro...

Entre gritos calados
Em suspiros profundos
Vão-se a cor e o sabor...
O perfume da flor
Ganha os cheiros do mundo...

Faz-se grande o descaso
O abandono do amor
E o rancor traz a mágoa
Onde o pranto deságua
No infinito da dor...