REGRAS PARA SE FAZER O POEMA VARANO

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Azeviche

Noite escura e morta
Sem réstia de luz
Rastro que conduz
Ao desassossego...
Noite que transporta
Na cor do azeviche
Todo o seu fetiche
Noite que dá medo!

Amanhece o dia
Vida combalida
Vida ressurgida
Sem mais pesadelo...
Que venha a alegria
Me dar de presente
Esse amor ausente
Meu real desvelo...