REGRAS PARA SE FAZER O POEMA VARANO

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

NUMA RUA DO PASSADO






















Hoje volto àquela rua,
que há muito tempo não vejo;
olho em volta e, em vão, procuro
o rosto que inda desejo...
As árvores já cresceram;
as mais antigas morreram,
como o velho do realejo!

Sou como estranho no ninho;
os daqui não me conhecem.
As casas têm muros altos;
algumas nem aparecem;
é gente andando com pressa!
Olho a placa... a rua é essa!
...E os jardins ainda florescem!

Nessa rua morava ela,
a Mariquinha assanhada;
sempre que eu aparecia,
era a minha namorada;
era um flerte, um namorico...
ela era do Tonico
...e ele não sabia de nada!
  
Continuo na minha andança.
Vou ao bar do seu Manoel;
ando um pouco até a esquina;
eu era freguês fiel;
comprava ali a cerveja...
Quem sabe lá eu reveja
algum bardo ou menestrel!

Dessa vez eu não errei.
Encontrei um amigo meu,
já grisalho e barrigudo!
Disse: “Muito aconteceu!
Tá vendo aquela janela?
Não é mais a casa dela...
E seu Manoel... já morreu!”

Não consegui dizer nada;
a minha voz se calou!
Meu amigo percebeu
e, em seguida, completou:
“Mas tenho uma boa surpresa:
Veja atrás... mas que beleza!”
......................................
...Mariquinha me abraçou!