REGRAS PARA SE FAZER O POEMA VARANO

quarta-feira, 2 de março de 2016

CANTARES


Do velho arquivo do tempo
Que o tempo fez em poeira
Nem tudo foi pelos ares...
As flores de laranjeira
Bem postas em teus cabelos
E que eram nossos desvelos
Inda embalam meus cantares!

Coisas assim acontecem
Pra que ninguém nunca esqueça
Que a vida tem seus pesares!
O tempo tinge a cabeça
Apesar dos nossos zelos
Vê longe nossos apelos
Sobre alusões milenares...

Mesmo assim, canto as canções
Que a minha mão escreveu,
Para atingir teus pensares...
Cantarei cantos de Orfeu
Verei Eurídice em ti
Por fim, verás como eu vi
Nós dois em nossos olhares!