REGRAS PARA SE FAZER O POEMA VARANO

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Barco de Papel

Sonhava, quando criança, ter um barco
Brincava neles, via-os nos rios...
Brincava de índio, usava flecha e arco.
Com flecha tirei manga em desafios!

Atravessava os rios em gamela,
nadava como peixe desde cedo!...
Hoje meu mundo o vejo da janela
e o meu rio... É um Rio que dá medo!...

Esperançoso, ainda tenho o sonho
de um barquinho mesmo que pequeno,
azul e branco, pintado a pincel...

Vem-me a lembrança e sinto-me tristonho...
Meu Rio não é mais um rio ameno...
E o meu barco é frágil, é de papel...